Pelo 3º dia seguido, DF registra 37,3°C, e umidade despenca a 17%

Parque da Cidade. Foto: Renato Alves/ Agência Brasília
Parque da Cidade. Foto: Renato Alves/ Agência Brasília

Capital enfrenta onda de calor com alerta vermelho de grande perigo. A temperatura marcada nos últimos dias é a maior já registrada no mês


Pelo terceiro dia seguido, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou recorde de temperatura, com 37,3ºC na subestação de Águas Emendadas, em Planaltina, nesta quarta-feira (15/11). A umidade relativa do ar neste feriado de Proclamação da República ficou em 17%.

O instituto prevê que o calor e a baixa umidade devem continuar pelo menos até sexta-feira (17/11). Há tendência de chuva em áreas isoladas.

A temperatura marcada nos últimos dois dias é a maior já registradas para o mês de novembro. Mesmo com o calorão, o DF ainda não chegou a mais alta da história — registrada em outubro de 2020, quando os termômetros atingiram 37,8° C, segundo o Inmet. À época, o Brasil também estava em alerta vermelho devido ao calor e à baixa umidade.

Segundo o Inmet, alertas dessa natureza só são emitidos quando se espera um fenômeno meteorológico de "intensidade excepcional, com grande probabilidade de ocorrência de grandes danos e acidentes, com riscos para a integridade física ou mesmo à vida humana".

Brasil terá que lidar com calor extremo até abril de 2024


A onda de calor sentida nos últimos dias nas regiões Sudeste e Centro-Oeste do país sofre influência do fenômeno El Niño, segundo apontam pesquisadores ouvidos pela Agência Brasil. A Organização Meteorológica Mundial (OMM) estima que os efeitos do El Niño devem ser sentidos pelo menos até abril do próximo ano.

"Tudo indica que teremos um verão extremamente quente. É um El Niño de intensidade muito forte que, juntamente com o aquecimento global, produz esses efeitos que nós estamos vendo", diz o coordenador da Rede Clima da Universidade de Brasília (UnB), Saulo Rodrigues Pereira Filho. Como efeitos do fenômeno climático, ele cita ainda a seca no Amazonas, as chuvas intensas no Sul do país e o calor extremo no Sudeste e no Centro-Oeste.

Os termômetros do Rio de Janeiro já haviam superado os 40°C em algumas ocasiões nesta semana. Na capital fluminense, a sensação térmica superou os 58°C nesta terça-feira (14). Já no Centro-Oeste, dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) relativos a ontem indicaram que Cuiabá foi a capital mais quente do país.

Ricardo de Camargo, meteorologista do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (USP) também crê que essa onda de calor intensa pode se repetir.

"Realmente podemos enfrentar situações parecidas como essa justamente por conta da influência do El Niño. É bem provável que a gente tenha as condições propícias para o acontecimento de novas ondas de calor. O que não dá para fazer é uma antecipação tão fidedigna e tão assertiva de quando isso pode acontecer."

O fenômeno El Niño é caracterizado pelo enfraquecimento dos ventos alísios (que sopram de Leste para Oeste) e pelo aquecimento anormal das águas superficiais da porção leste da região equatorial do Oceano Pacífico. As mudanças na interação entre a superfície oceânica e a baixa atmosfera têm consequências no tempo e no clima em diferentes partes do planeta. Isso porque a dinâmica de circulação das massas de ar adota novos padrões de transporte de umidade, afetando a temperatura e a distribuição das chuvas.

Com informações de Thalita Vasconcelos / Metropoles

Emerson Tormann

Técnico Industrial em Elétrica e Eletrônica com especialização em Tecnologia da Informação e Comunicação. Editor chefe na Atualidade Política Comunicação e Marketing Digital Ltda. Jornalista e Diagramador - DRT 10580/DF. Sites: https://etormann.tk e https://atualidadepolitica.com.br

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Últimas

5/recent/post-list