Até quando vai o estresse no mercado de GNL?

Evonik avalia importação de GNL e gás da Bolívia e Argentina - Foto / Divulgação

Conflito no Oriente Médio reacende clima de nervosismo no mercado de GNL, que só deve voltar ao equilíbrio a partir de 2025


PIPELINE 

Conflito no Oriente Médio reacende clima de nervosismo no mercado de GNL, que só deve voltar ao equilíbrio a partir de 2025. IEA vê pico da demanda por gás ainda nesta década, mas não há consenso no mercado sobre o assunto.

Compass faz emissão de R$ 1,7 bi atrelada a metas de expansão no biometano. Unigel comunica sindicato sobre paralisação da fafen da Bahia e mais. Confira:

OLHO LÁ FORA 

O conflito no Oriente Médio, entre Israel e o Hamas, reacendeu o clima de nervosismo no mercado de gás natural liquefeito (GNL).

Os preços da commodity -- sobretudo na Europa e Ásia -- voltaram a sofrer com a volatilidade em outubro, em meio a um cenário que combinou, num só mês, a guerra na Faixa de Gaza com suspeitas de sabotagem num gasoduto no Báltico e ameaças de greve nos ativos de liquefação na Austrália.

Na Europa, o preço de referência TTF fechou o mês com alta de 14,6%; enquanto, na Ásia, o JKM subiu 23% em outubro.

Mas até quando o estresse do mercado de GNL deve persistir?

A pergunta interessa aos agentes do mercado brasileiro, que, durante os primeiros anos da estruturação do Novo Mercado de Gás, chegou a viver a expectativa de acelerar a abertura do setor por meio de importações de GNL a preços competitivos -- uma janela que se fechou a partir de 2021.

E por que o assunto importa? O Brasil usa o GNL, sobretudo, como fonte de gás flexível para as termelétricas e tem dado, em certa medida, sorte. Desde o pico de preços do GNL em 2022, após a eclosão da guerra entre Rússia e Ucrânia, o país não passou por uma grande crise hidrológica como a de 2021.

Este ano, as importações do gás natural liquefeito estão em baixa: o equivalente a cerca de 1,5% do suprimento da demanda brasileira - muito distante dos 26.7% de 2021.

O setor termelétrico, contudo, não passou incólume nesse período de estresse: a alta dos preços do GNL contribuiu para afastar investidores no último leilão de termelétricas no país, por exemplo.

Além disso, o GNL é também um elemento importante de precificação para o gás como um todo no país, e não só para as termelétricas.

Cerca de 20% do volume contratado pelas distribuidoras estaduais, na nova safra de acordos de suprimento assinados com a Petrobras, está indexado ao Henry Hub, preço de referência dos EUA.

Ao mesmo tempo, investidores se movimentam para colocar de pé novos terminais de regaseificação (como a Nimofast no Paraná) ou monetizar plantas de GNL já existentes ou em fase final de construção com a venda de GNL para o mercado não-termelétrico (Eneva em Sergipe; New Fortress em Santa Catarina, e bp no Porto do Açu são exemplos).

Enfim, o Brasil não é uma ilha e, a seguir, a gas week se debruça sobre as perspectivas do mercado global de GNL.

MAIS DOIS OU TRÊS ANOS DE APERTO 

O cenário atual de aperto no mercado global da commodity ainda deve se manter pelos próximos anos.

A Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) trabalha com a previsão de que o crescimento da capacidade de liquefação, associado ao declínio da demanda em mercados maduros, aliviará as tensões sobre os preços do GNL somente entre 2025/2026.

Visão parecida com a da S&P Global.

Do lado da demanda, a IEA estima que, após o seu apogeu entre 2011 e 2021, os mercados mundiais de gás entrarão num período novo e mais incerto -- e que provavelmente será caracterizado por um crescimento mais lento e uma maior volatilidade e poderá levar a um pico na demanda no fim desta década.

A IEA acredita que o consumo de mercados como Ásia-Pacífico (Austrália, Japão, Coreia do Sul, Nova Zelândia e Singapura), Europa e América do Norte atingiu o pico em 2021 e deve diminuir 1% ao ano até 2026, diante da implantação acelerada de energias renováveis e ganhos de eficiência energética.

A agência lembra que, na Europa, a perda do gás russo pressionou os governos locais a procurar soluções alternativas para manter a segurança energética.

Por isso, a IEA espera que o crescimento da demanda global seja sustentado pelos mercados asiáticos (em especial a China e Oriente Médio) e África.

Do lado da oferta, a previsão é que a capacidade de liquefação cresça 25% entre 2022 e 2026 e comece, assim, a afetar a dinâmica do mercado em 2025 e 2026, aliviando parte da restrição e liberando uma demanda sensível aos preços.

A Wood Mackenzie também cita que essa nova capacidade de liquefação, no mundo, não estará disponível, em sua maior, parte, até pelo menos 2026 e que, até lá, "não há cura imediata" - ou seja, os compradores ainda enfrentarão vários anos de preços altos e voláteis antes que a próxima onda de oferta de GNL reequilibre o mercado.

Mas a chegada de mais GNL não é o fim da história. A consultoria ressalva que o investimento em nova oferta de GNL desacelerará para além de 2025, preparando o cenário para um potencial novo aperto por volta de 2030.

Ao todo, a consultoria estima que o mercado global precisará de mais 60 milhões de toneladas/ano de capacidade nova de liquefação até 2033.

UMA MUDANÇA ESTRUTURAL 

A Wood Mackenzie destaca que o mercado global de GNL mudou estruturalmente. A consultoria lembra que, no passado, a Europa proporcionava flexibilidade ao mercado, contribuindo para uma maior estabilidade:
  • em momentos de excesso de oferta, o continente reduzia as importações discricionárias de gasodutos para usar mais GNL, limitando o efeito de baixa nos preços 
  • e quando menos GNL estava disponível, a Europa recorria a mais gás importado por gasodutos e ao carvão, evitando picos de preços.
Mas com a Europa cada vez mais dependente do GNL, como alternativa ao gás russo, em momentos de aperto no mercado os preços podem ser extremamente altos, à medida que a Europa e a Ásia lutam para garantir cargas marginais. A volatilidade é hoje uma constante, cita a consultoria.

O PICO DA DEMANDA ESTÁ, DE FATO, NO HORIZONTE? 

As perspectivas da IEA, de que a demanda global por gás pode atingir o seu pico antes mesmo do fim desta década, não são um consenso.

A WoodMackenzie, por exemplo, não vê um excesso de capacidade no mercado global, mesmo com a corrida por novas plantas de liquefação no mundo.

A consultoria cita as expectativas de crescimento econômico na China e acredita numa guinada da Ásia na direção de políticas de descarbonização - o que pode aquecer a demanda pelo gás.

Além disso, a Europa também precisará de mais GNL. Embora a demanda geral de gás continue a cair, as importações de gasodutos da Noruega e Argélia diminuirão na segunda metade da década -- o que significa que as importações de GNL não atingirão o pico até por volta de 2030.

A McKinsey & Co. vai numa linha parecida: projeta que a demanda total de gás aumentará na maioria dos cenários até 2040, impulsionada em grande parte pelo papel de equilíbrio que o gás deve desempenhar para as energias renováveis até que as baterias sejam implantadas em escala.

E a Shell, uma das maiores players de GNL no mundo, também trabalha com a perspectiva de aumento do consumo de gás. O comércio global total de GNL, que atingiu 397 milhões de toneladas em 2022, segundo a companhia, deve atingir de 650 a mais de 700 milhões de toneladas por ano até 2040 -- o que justifica mais investimentos em projetos de liquefação, na visão da petroleira, compartilhada no LNG Outlook 2023, publicado no início do ano.

E A GUERRA? 

O conflito entre Israel e Hamas traz novas tensões geopolíticas para um mercado já estressado -- pelo menos desde 2021, quando, antes mesmo da guerra entre Ucrânia e Rússia, os preços do gás na Europa saltaram em resposta a uma combinação entre uma frustração nas expectativas de geração eólica e baixos níveis de armazenamento de gás no continente.

Por ora, a guerra no Oriente Médio tem causado impactos regionais no mercado de gás. Um deles a interrupção na produção no campo de Tamar, em Israel.

Com isso, Israel reduziu em 70% as exportações de gás natural, sobretudo para Jordânia e Egito -- este último um exportador de GNL.

Num cenário de aperto no mercado, contudo, qualquer solavanco é sensível. Hoje, cerca de 3% das importações de GNL europeias vêm do Egito...

Os preços da commodity reagiram aos riscos geopolíticos em outubro, mas já começam a ceder.

Os preços do gás na Europa fecharam em queda pela terceira semana consecutiva, diante de um arrefecimento na percepção de riscos sobre a oferta de gás no mercado.

O envio de gás de Israel ao Egito voltou a fluir -- embora em volumes ainda limitados.

Os riscos, porém, estão aí... Na avaliação da Bruegel, think tank de Bruxelas, um prolongamento do conflito, com limitações sobre as exportações de Israel, minaria a capacidade do Egito de satisfazer suas crescentes necessidades domésticas de gás e também afetaria suas exportações de GNL para a Turquia e vários países da União Europeia.

Fora o aumento dos riscos de segurança para os navios de GNL que passam todos os dias pelo Estreito de Ormuz e para os gasodutos internacionais na região.

"Um conflito mais amplo também aumentaria as preocupações sobre a segurança da infraestrutura que conecta os fornecedores de gás do norte da África e a Europa, adicionando incerteza e volatilidade a um mercado já apertado", cita a Bruegel.

Além disso, de acordo com a Rystad Energy, existe também um efeito a médio e longo prazos: a possibilidade de que Israel perca US$ 4 bilhões de investimentos em projetos de exploração e produção anunciados para os próximos três anos - o que "pode minar o progresso que estava sendo feito na normalização de uma região que viu significativo sucesso exploratório e a descoberta de recursos de baixo custo".

Israel, aliás, concedeu 12 licenças a seis empresas, incluindo a bp e a Eni, para exploração de blocos offshore com potencial de produção de gás.

O governo atribui a conclusão do leilão durante o conflito com o Hamas a uma demonstração de confiança na resiliência do país.

Com informações de Epbr

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Últimas

5/recent/post-list