Elevador de Shabat no condomínio

Elevador de Shabat no condomínio*

Técnicas construtivas e tecnologias embarcadas nos imóveis evoluem tão rápido que requerem constantes atualizações dos profissionais que operam no segmento imobiliário: arquitetos, engenheiros, trabalhadores de construção civil, equipe de manutenção predial e também corretores de imóveis.

O jargão específico do segmento imobiliário varia de estado para estado, e tem diversos “glossários/dicionários” disponíveis em fácil consulta pela internet.  Aqui no Distrito Federal, teríamos algumas específicas como casa em Ponta de Picolé (imóvel localizado na beira do Lago Paranoá) ou as transações de “corda de caranguejo” e “farofada”, ambas indicando muitos intermediários envolvidos entre o comprador e o vendedor.

Recentemente em anúncio de apartamento de alto padrão na cidade de São Paulo, vimos referência ao andamento do processo de instalação de Elevador de Shabat. Desconhecíamos o conceito. Um elevador de Shabat funciona em um modo especial, operando automaticamente, para satisfazer a lei judaica que exige que os judeus se abstenham de operar interruptores elétricos no Shabat, dia sagrado. É o sétimo dia da semana na religião judaica e dedicado inteiramente ao descanso, começando com o pôr-do-sol na sexta-feira e término ao anoitecer do sábado. Normalmente, o elevador é programado para ir ao último andar do prédio e na descida, ir parando andar por andar. Há grandes hotéis nos EUA, com elevadores específicos com esta configuração e placa indicativa para acesso.


Sobre elevadores, nota-se tendência em novos prédios de grande altura, de pequenos elevadores de carga, comuns em restaurantes, para entregas de comida, correspondências ou pequenos itens; agiliza o transporte e evita os acessos de entregadores a áreas privativas, ao que tudo indica, mais uma das tendências tecnológicas que veio para ficar.

Um prédio em construção no bairro de Águas Claras (LET Parque), nos surpreendeu que além da unidade decorada com a assistente virtual Alexa em pleno trabalho, há outra também disponível para visita, com pequenos cortes ou acessos de vidro, onde é possível ver a espessura e acabamentos de paredes e pisos, distribuição de cabos elétricos e de dados e tubulações, sendo que as do banheiro especialmente, revestidas com material para evitar a propagação de som no trânsito da água. Certamente mais uma das inovações de marketing.

No que tange a automação acompanhamos a evolução de portarias eletrônicas e difusão da biometria, apps e redes sociais privativas, gestão de informações na nuvem, sistemas de geração de energia especialmente a solar/fotovoltaica,  aquecimento de água para banho com bombas de calor, armários inteligentes, veículos elétricos, veículos compartilhados (bicicletas, patinetes, motos e carros), extinção de cartões de acesso e controle remotos de pilha por softwares de leituras de placas ou tags dentre muitos outros.  Espaço de convivência para os Pets também passam a ocupar relevante espaço em futuros projetos.

Afirmação:  A compra do primeiro imóvel é feita por aqueles em média com 30 anos de idade, renda e bom emprego. Pensa em se casar e ter filhos. Pergunta: Isso é válido para 2024 em diante? O sonho da casa própria está nas mentes destas futuras gerações? Ou pensa-se em vida mais dinâmica, sem raízes fixas, vivendo em diferentes partes do planeta Terra, os famosos nômades digitais?  Comprar um imóvel e imobilizar dinheiro é besteira, já que o mesmo pode ser usado para alavancagens diversas ou investimentos mais agressivos e menos tradicionais como as criptomoedas, BDRs e NFTs?

A proporção de idosos na sociedade é crescente. Há surgimento e consolidação de novos gêneros sexuais, em detrimento ao antigo masculino e feminino. Condomínios e estruturas privadas como academias de musculação serão projetados tendo em vista estes parâmetros? Ondas de calor são mais intensas e com maior duração. Volumes de chuvas e água são vistos em patamares inéditos em certas cidades. Quais as mudanças trazidas em novos e velhos projetos no que tange ao urbanismo e suas edificações em constantes releituras?  O mundo continua em transformação e suas inovações impactando significativamente nossa forma de viver, habitar e interagir com a cidade. Fica o convite para reflexão.


 

*Marcelo Sicoli – Consultor internacional, corretor de imóveis no DF e Goiás. Conselheiro do CRECI-DF. Mídias sociais/YouTube: @marcelosicoli  www.enterbrazil.com  


Rafael Sathler – Arquiteto e Urbanista no DF e Goiás. Especialista em soluções arquitetônicas e projetos. Diretor de projeto e negócios em RSAI Arquitetura.  Mídias sociais: @rsai.arquitetura;  www.rsai.com.br  


Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Últimas

5/recent/post-list