Pacientes na fila de espera do transplante dependem de diálise e hemodiálise para sobreviver
Créditos: Freepik

 Transplante renal teve queda de 16,3% no Brasil; doação do órgão mudou destino do administrador Edinei e pode dar nova oportunidade para educadora física Mariana

O dia 14 de junho de 2020 é um marco na vida do administrador Edinei Tomaz de Miranda, de 33 anos, que vive em Ponta Grossa (PR). Foram sete meses dependendo de uma máquina de hemodiálise para viver, até receber a notícia que renovou as suas esperanças: havia chegado a sua vez na fila do transplante. “Uma oportunidade para recomeçar e ter a minha vida de volta”, lembra.

E se a luta por um órgão sempre foi grande, em meio à pandemia, o número de pacientes que tiveram essa nova chance caiu. O transplante renal foi o que teve maior redução no Brasil: de 16,3% no primeiro semestre de 2021, de acordo com dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO). A cirurgia do Edinei foi realizada no Hospital Universitário Cajuru, em Curitiba (PR), que é referência nesse tipo de transplante no Brasil.

Covid-19 e uma nova batalha

Mas, como o órgão apresentou um início de rejeição pelo organismo, o administrador precisou tomar um medicamento imunossupressor. A medicação debilitou seu sistema imunológico e ele acabou infectado pelo novo coronavírus, meses após o transplante, em setembro de 2020. Situação vivida por 10% dos transplantados renais, segundo números da ABTO.

Mais uma vez a vida de Edinei estava por um fio. Com 70% do pulmão comprometido, ele precisou ser hospitalizado na UTI para pacientes com covid-19 do Hospital Marcelino Champagnat, também em Curitiba. E durante esse processo a equipe médica responsável pelo seu transplante renal se manteve ao seu lado para acompanhar o tratamento, examinar a função renal e garantir a recuperação rápida. “Os profissionais do Hospital Universitário Cajuru foram minha principal rede de apoio. O comprometimento, a atenção e o acolhimento recebido fizeram a diferença para que eu conseguisse passar por essa fase de cabeça erguida”, relembra. 

Angústia da espera

Receber a notícia da necessidade de um novo órgão é difícil. E ainda mais complicado é viver à espera pelo transplante. Uma angústia vivenciada desde outubro de 2020 pela curitibana Mariana Purcote Fontoura, de 33 anos, que precisou substituir temporariamente a função renal pela diálise peritoneal. Ela é uma dos 1,4 mil paranaenses que estão na fila aguardando por um rim, enquanto o número de transplantes desse tipo teve queda de 16,4% no Paraná, segundo dados comparativos, entre o primeiro semestre de 2020 e 2021, do Sistema Estadual de Transplantes do Paraná. 

Após um exame de rotina do rim no HUC, sem sintomas aparentes, a professora de educação física teve o diagnóstico de doença renal crônica no estágio 5, quando o rim não é mais capaz de desempenhar suas funções básicas. “Foi assustador e impactante, em um primeiro momento, descobrir que estava com falência renal. Mas, aos poucos, entendi que o transplante não é apenas um tratamento possível, como também um procedimento que está avançado e com atuação de excelência no Hospital Cajuru”, conta Mariana. 

Referências de esperança

As equipes médicas capacitadas e a estrutura hospitalar fazem do Paraná referência nacional no transplante de rim. Uma posição que se torna possível com o trabalho desempenhado por profissionais de diversas instituições paranaenses, com destaque para o Hospital Universitário Cajuru. Mesmo sem atuar como referência para a covid-19, o HUC sentiu os obstáculos trazidos pelo vírus à realização de transplantes, como a superlotação de hospitais, a suspensão de cirurgias eletivas e, principalmente, o impedimento da doação de órgãos de pessoas com morte encefálica contaminadas pelo coronavírus.

Apesar das dificuldades, o hospital, que tem atendimento 100% SUS, seguiu alcançando bons resultados no procedimento. Um sucesso explicado pelo trabalho da equipe de transplante renal, coordenada pelo nefrologista Alexandre Tortoza Bignelli. Há mais de duas décadas atuando com pacientes renais crônicos, o médico explica que o HUC desponta como referência no Paraná, no Brasil e, até mesmo, no mundo. Isso em razão dos altos índices de sobrevida do enxerto transplantado e dos pacientes, chegando a 95% dos casos no Hospital Universitário Cajuru. “Olhando para trás, não trocaria por nada o que escolhi para a minha vida, uma vez que eu e minha equipe permitimos que pacientes mudem de uma condição de dependência de uma máquina para uma condição de liberdade”, relata Alexandre.

Com o aumento da cobertura de vacinas e a queda das internações, a tendência é a recuperação das taxas de captação e transplante. Mas a conscientização sobre as doações ainda é um desafio. “É preciso que a população entenda que a doação de órgãos é um gesto de amor que pode salvar até dez vidas, mudando o destino de pessoas como Edinei e dando uma nova chance para mulheres como Mariana”, reforça o médico. 

Compartilhar:

Central Press

Comente:

Boazinhas